Não basta ser mulher

por Guilherme Bara

 O dia internacional da mulher, como de hábito, nos colocou em contato com inúmeras discussões e reflexões sobre o equilíbrio de gênero na sociedade, sobretudo no mercado de trabalho.

Uma quantidade infindável de números e estatísticas que, de maneira resumida, mostram avanços, porém insuficientes para deixar a mulher em condição de igualdade no ambiente corporativo.

Um dos principais obstáculos para a efetiva participação das mulheres não aparecem nos gráficos e sim na análise do comportamento visto na maior parte das empresas.

Além de termos uma presença maior dos homens em termos numéricos, principalmente em posições de liderança (87% das posições executivas são ocupadas pelos homens), temos o mind set masculino direcionando o comportamento de toda a organização.

Esta abordagem é tão marcante que, muitas vezes, até mesmo em equipes formadas por maioria de mulheres, temos o comportamento masculino direcionando a forma de agir das colaboradoras. As atitudes do dia a dia, a forma de liderar e o jeito de lidar com os sentimentos, ou de não lidar com estes, são feitas alinhadas ao padrão masculino.

Vemos com frequência comportamentos tradicionalmente masculinos sendo exercidos por mulheres: uma forma mais áspera de liderar, a objetividade exagerada e o pouco espaço para a sensibilidade.

Isto ocorre, pois elas percebem, mesmo que de forma inconsciente, que assim terão mais chances de serem valorizadas e, consequentemente, verem suas carreiras deslancharem.

Esta situação pode fazer com que haja mais mulheres, mas não necessariamente mais diversidade.

A presença do masculino e do feminino em uma equipe faz com que haja uma gama maior de pontos de vistas, de abordagem e contribui para que as decisões sejam melhor experimentadas e mais maduras.

Criar um ambiente que respeite e valorize as diferenças entre homens e mulheres vai além de uma atitude de justiça social. Construir um ambiente inclusivo é uma poderosa forma de atrair os melhores talentos e desenvolvermos soluções que atendam de forma mais eficiente os desafios do ambiente corporativo.

 

 

Esse post já foi lido 775 vezes

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *