Quem cresceu menos na América do Sul?

Por Guilherme Bara

Qual país você acha que menos cresceu na América do Sul em 2011? A Bolívia de Morales, a Venezuela de Chaves ou mesmo o país dos “ermanos” onde os brasileiros costumam fazer a festa nas viagens quase de “bate e volta”? Para surpresa de muitos e contrariando os prognósticos surreais dos representantes do lulopetismo, foi o Brasil!! Isto mesmo, a sexta economia do mundo, cantada em verso e prosa pela comunicação oficial ficou na rabeira do crescimento sul americano. Em fins de 2010 Lula, apoiado no crescimento de 7,5% da economia, reelegeu, com um certo aperto sua sucessora ao Palácio do Planalto. Inúmeras medidas foram tomadas para garantir o dinheiro no bolso do eleitor, fator este que mais influencia na decisão de voto do brasileiro e, diga-se de passagem, da maioria dos povos do mundo. Incentivos fiscais para a indústria automotiva e para os produtos da linha branca, e uma injeção de crédito impulsionaram o mercado interno fazendo que atingíssemos nosso melhor resultado em décadas.

O ano passou, Lula comemorou a vitória de sua candidata, mas a conta ficou. As medidas se mostraram eficazes, porém com efeitos de curto prazo o que confirma a análise de muitos que vêem no governo petista uma intenção de implementar um projeto de poder ao invés de um projeto de país. Nos últimos dias saiu o resultado do PIB de 2011. Contrariando os prognósticos do Ministro da Fazenda Guido Mantega, o Brasil teve o mais baixo crescimento entre os países da América do Sul. Isto mesmo, países como Bolívia, Venezuela e Equador tiveram um crescimento mais robusto que o tão alardiado “país das maravilhas”.

Fica evidente que boa parte do crescimento que impulsionou a candidatura Dilma em 2010 foi sustentada por ações que deram espaço para um assustador crescimento da inflação, o que fez o Banco Central tomar medidas anticíclicas, isto é que segurassem o dinamismo da economia a fim de corrigir algumas medidas irresponsáveis dos últimos anos do governo Lula.

Em tempos onde sustentabilidade é o tema da vez na sociedade, percebemos que este conceito é pouco valorizado pelo governo federal, que tem em seu radar uma ambição bem definida de perpetuação no poder, deixando de lado,muitas vezes, a idéia de um pais preparado para crescer agora e sempre.